• yoga 1
    TANKA
    SAPKOTA

SOBRE TANKA

Tanka Sapkota nasceu no Nepal mas tem coração português.
Tanka Sapkota é dono e chef do restaurante italiano Come Prima, em Lisboa. Lutador de fundo com invulgar veia criativa e força capaz de mover o mundo, oferece todos os dias o melhor que sabe, e sabe muito. Nasceu no Nepal mas é português de coração.
Movimenta-se como um bailarino por entre as fiadas irregulares de mesas, cadeiras e frapés que pontuam aquele que é um dos melhores restaurantes italianos de Lisboa. De vez em quando desaparece para dentro da cozinha ou vai fazer uma qualquer operação no forno de lenha que marca logo quem entra no seu restaurante. Depois sai que nem um foguete, escada cima, degraus dois a dois, para atender a alguém que pediu uma boa grappa para terminar a refeição em beleza. Seja onde for, Tanka Sapkota aparece de repente, com um sorriso impossível de desmontar, os olhos de uma criança que recebe o brinquedo com que sonhava. A casa é a Come Prima, que vagamente quer dizer «como dantes». Menos vagas são as vozes de Marino Marini, Domenico Modugno ou Mario Lanza que mesmo sem soar no sistema de som nos namoram insistentes até ao fim da refeição. Além da agora óbvia Come Prima, canções como Quando Quando Quando, Guarda che Luna, e Volare, compõem um imenso repertório do final dos anos 1950 que espantosamente nos chegou intacto, mesmo no tempo em que o país não dava propriamente as boas-vindas ao estrangeiro. Canções eternas que gritam Itália, paixão, toalhas aos quadrados e que fazem de qualquer massa aglio e olio parecer iguaria dos deuses.
Sapkota é cuidadoso neste aspeto, não impõe aos seus clientes habituais o suplício de ouvir sempre as mesmas músicas quando escolhem a sua casa para comer. Nos dias especiais é o contrário e celebra-se bem a vida neste recanto lisboeta da Pampulha, perto das Janelas Verdes. Foi especial o passado dia 5 de junho de 2014. Tão especial que se ouvia Come Prima cantado e tocado ao vivo através de todo o restaurante. Sapkota estava em festa, com a atribuição do diploma de La Verace Pizza Napolitana, certificando as pizas como autênticas e verdadeiras, feitas ao estilo napolitano. Massa, ingredientes e assadura, tudo a preceito, como mandam as regras. A sua mulher Rita oficia diariamente no Come Prima ao lado do marido e naquele dia estavam também a filha Anjali e o filho Adarsha Pratik a viver a festa e a vitória. Cerca de 18 anos depois do seu primeiro emprego em Portugal, Tanka - Giovanni, nome italiano que a certa altura da vida adotou, tem um palmarés notável e um percurso de que pode estar orgulhoso. Especial entre especiais.
Tanka Sapkota nasceu em Damek, no Nepal, no dia 15 de janeiro de 1974. A mãe, Kalawati, 67 anos, e o pai, Jaguputi, 86, ainda vivos, tiveram quatro filhos. Tanka é o segundo mais novo, oito anos mais velho do que o Benjamim, Yogesh, também radicado em Portugal e dono da Casa Nepalesa, restaurante étnico de sucesso e qualidade assinaláveis.
A infância de Tanka foi feliz, numa paz que considera total. O nosso homem é hindu, mas tem grande admiração pela figura e talante de Siddartha, o príncipe-buda, também ele nascido no Nepal, em Lumbini, cerca de seis séculos antes de Cristo. "No Nepal vivemos lado a lado, hindus e budistas, em total tolerância", explica. É verdade que sempre que se pergunta a alguém onde nasceu Buda, a maioria responde China, outros Índia, mas quase ninguém Nepal, terra de prodígios, onde o próprio cristianismo pode ter ido buscar muitos dos seus fundamentos.
Certo é que não foi em fuga que Tanka decidiu partir para a Alemanha. Havia qualquer coisa dentro que o desinstalava, desde 1992 pelo menos, altura em que abandonou os estudos de Direito, que o seu coração o levava à moção repetida de sair donde estava. Em Estugarda foi ter com um italiano amigo do seu irmão. Rapazinho de 18 anos apenas, queria trabalhar e, perante o ultimato do irmão mais velho, decidiu abandonar a universidade e tentar a sorte na Europa, junto de um homem que, de certa forma, foi como um pai. Estudou alemão e teve o primeiro contacto com a cozinha italiana, começando, como nos filmes, a lavar pratos num restaurante. Um dia pôs a mão na massa e percebeu que conseguia fazer dela qualquer coisa, com bons resultados. Em três tempos, estava feito um verdadeiro pizzaiolo.

SOLIDARIEDADE

RESTAURANTES

PROGRAMA TV / VÍDEO
PRÉMIOS
PROGRAMA TV / VÍDEO
PRÉMIOS
PROGRAMA TV / VÍDEO
PRÉMIOS
PRÉMIOS

CONTACTOS

+351 213 902 457
geral.cheftanka@tankasapkota.pt